Acompanhe nossas novidades

Postado em 06 de Fevereiro de 2015 às 08h33

Saiba se vale a pena vender ou alugar um imóvel ganho como herança

  • Firme Negócios Imobiliários -

Quem herda uma casa ou apartamento, mas já tem onde morar deve fazer as contas antes de colocar o imóvel para alugar.

"Há custos, não se pode simplesmente comparar o aluguel com o preço do imóvel", diz João da Rocha Lima Junior, coordenador do Núcleo de Real Estate da Poli-USP (Universidade de São Paulo).

Rocha afirma que é preciso incluir nos cálculos os gastos de manutenção da casa ou o apartamento, como administração, impostos e reformas que, na maior parte das vezes, são responsabilidade do proprietário.

Antes de tomar uma decisão, calcule a taxa do aluguel, que é o valor que receberá mensalmente sobre o valor do imóvel. Para um apartamento de R$ 300 mil que será alugado por R$ 1.000, por exemplo, essa taxa será de 0,33%, mais baixa que a correção da poupança, que está em cerca de 0,45% ao mês.

Isso significa que o dinheiro vai render mais se for colocado no banco. É possível subir o aluguel? Sim. Porém, dificilmente a pessoa conseguirá alugar o apartamento por um preço muito mais alto do que aqueles praticados pelos proprietários dos imóveis vizinhos.

"Mesmo se a taxa fosse igual, manter o imóvel tem risco maior, pois ele deprecia e são necessárias benfeitorias", alerta o economista Samy Dana, professor da FGV-SP. "Eu diria que, para valer a pena alugar o imóvel, é preciso ter uma taxa de aluguel de 0,7% ou 0,8%", completa.

O risco de ficar vazio é outra questão para quem está considerando manter o imóvel que recebeu de herança para alugar. "É um risco relevante. Quando não está alugado, o imóvel não só não produz renda, mas gera despesas, como IPTU e condomínio", diz João da Rocha.

Outra questão é que, com o imóvel alugado, o dinheiro fica "preso", pois não é possível sacá-lo com rapidez nem parcialmente. "Se você tem uma casa ou apartamento no valor de R$ 300 mil e precisa de R$ 30 mil, não vai vender o imóvel por isso", exemplifica Samy Dana.

Ainda de acordo com o professor, compensa pesquisar com os bancos os benefícios oferecidos para depositar grandes quantias. Geralmente, eles oferecem incentivos como taxas mais altas de remuneração. "Não precisa deixar os R$ 300 mil por dois anos. Deixe apenas R$ 200 mil, faça combinações", aconselha Dana.

Por fim, João da Rocha chama a atenção para as dificuldades impostas pela legislação. "O inquilino é muito protegido", diz. Por exemplo, ainda que o locatário não pague o aluguel, o processo para despejá-lo costuma levar meses.

Quem pensa em manter o imóvel esperando a valorização, também deve ficar atento. "É um investimento de risco. Se fizer essa opção, é preciso ser muito bem aconselhado por um especialista, que pode ser um corretor", diz João da Rocha.

Outra possibilidade é derrubar a antiga construção e usar o terreno para fazer um empreendimento imobiliário. Segundo João da Rocha, nesse caso, é possível buscar uma parceria com um empreendedor. "Se tem apenas o terreno mas não o dinheiro para construir, depois de dois ou três anos, você terá parte de um imóvel e uma renda sobre ele", diz.

 

Veja também

Simples Nacional vai diminuir a informalidade dos corretores de imóveis24/11/14 A inclusão dos corretores de imóveis no Simples Nacional, sistema de arrecadação simplificada de impostos do Governo Federal, beneficiará cerca de 310 mil profissionais que trabalham com corretagem de imóveis no país. No Piauí, pelo menos 2.053 corretores estão inclusos no Simples. O sistema de tributação para micro e pequenas empresas......
Procon dá dicas para evitar atrasos na entrega de imóveis na planta22/01/15 O número de reclamações contra construtoras ou incorporadoras de imóveis vendidos na planta, na cidade de São Paulo, foi de 2.576 no primeiro semestre deste ano, de acordo com dados da Fundação......

Voltar para Notícias