Acompanhe nossas novidades

Postado em 07 de Janeiro de 2015 às 11h45

Garantias para aluguel vão além do fiador

  • Firme Negócios Imobiliários -

Modalidades como seguro fiança e título de capitalização crescem como garantia aos contratos de locação de imóveis
Na hora de alugar um imóvel, uma exigência que se coloca ao locatário é a apresentação de uma garantia que cubra o pagamento do aluguel caso ele não possa, por algum motivo, honrar o compromisso financeiro. O tradicional fiador ainda é a principal garantia para quem coloca um imóvel para alugar. Mas, segundo o Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR), outras modalidades vêm crescendo neste mercado como opção para quem não conta com a colaboração de amigos ou parentes na hora de assinar o contrato. Entre elas estão o seguro fiança, o título de capitalização, a carta fiança, o caução fiança e o caução sobre um bem imóvel.


De acordo com dados do Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), do Secovi-PR, mais de 70% das locações em Curitiba no mês de abril foram realizadas por meio de fiadores. “Grande parte das pessoas ainda prefere o fiador porque não envolve outros custos, que acabam refletindo no aluguel”, afirma João Françolin Tomazini, diretor-geral da Imobiliária Cilar.

Contudo, de 2012 para cá, o seguro fiança vem ganhando espaço, sendo utilizado como garantia em quase 16% dos contratos, seguido pelo título de capitalização (2,5%); caução fiança (2,3%); e carta fiança (1,7%).

Para a vice-presidente de locação do Secovi-PR, Fátima Galvão, a busca por novas opções ao fiador se fortalece como uma tendência do mercado, que busca alternativas para se adaptar às necessidades dos clientes. “Os locatários comentam sobre a dificuldade de encontrar pessoas com disponibilidade e recursos suficientes para serem fiadores. Por isso, em muitos casos, optam pelas outras modalidades”, diz.

Questão pessoal

A escolha por uma das diversas alternativas para garantir a fiança do imóvel depende de aspectos que vão desde as possibilidades financeiras até as condições sociais do locatário.

Para Salete Bueno, supervisora de locação da imobiliária Gonzaga, o fato de ter de pedir auxílio para parentes e amigos como garantia ao pagamento do aluguel pode ser visto como um empecilho por quem está alugando o imóvel. “Isso gera certo desconforto. As pessoas se sentem constrangidas em pedir esse tipo de favor mesmo aos conhecidos”, afirma.

Quem vem de outras cidades também encontra em opções como o seguro fiança uma forma prática e rápida de locar um imóvel, uma vez que a burocracia é facilitada pelo sistema, explica Salete.

Foi o que aconteceu com o representante industrial Leopoldo Oliveira. De mudança de Joinville para Curitiba em decorrência do trabalho, ele optou pelo seguro no momento de assinar o contrato de locação da nova casa, localizada no Jardim das Américas. “Esta é a terceira fez que alugo um imóvel por este método. É uma forma objetiva de resolver a questão da fiança”, diz.

Alternativas

O mercado oferece opções para quem não pode ou não quer contar com com a ajuda de um fiador.

• Seguro fiança: nessa modalidade, o locatário contrata uma companhia de seguros e paga uma taxa mensal que cobre eventuais inadimplências em relação ao pagamento do aluguel. O sistema funciona nos mesmos moldes de um seguro automotivo. Algumas empresas oferecem vantagens, como serviços de pequenos reparos, aos contratantes. Os valores pagos não são restituíveis;

• Título de capitalização: para quem dispõe de algumas economias e deseja realizar um investimento, o título de capitalização vinculado ao contrato de locação é uma boa alternativa para a fiança imobiliária. A aplicação (única ou mensal) realizada pelo locatário é tida como garantia para o locador. Após o encerramento do contrato, o título pode ser resgatado com correção monetária;

• Caução fiança: o locatário faz um depósito antecipado que corresponde a certo número de vezes o valor do aluguel. O valor é determinado pela imobiliária e o montante, depositado à vista, fica como garantia ao aluguel;

• Carta fiança: muito utilizada quando há transferência de funcionários para outras cidades, ocorre quando a empresa se responsabiliza pelo contrato e passa a ser o fiador do locatário;

• Caução sobre um bem imóvel: ocorre quando o locatário é proprietário de outro imóvel, muitas vezes localizado em outra cidade, e o coloca como garantia à locação. Nesta modalidade, consta no cartório de registro de imóveis a informação de que o imóvel foi dado como caução no contrato de locação.

Deixar de lado o fiador demanda disponibilidade financeira por parte do locatário para arcar com o investimento nas demais modalidades de fiança imobiliária. O custo para contratar os diferentes serviços varia de acordo com o valor do aluguel e os encargos agregados ao cálculo, como as taxas referentes ao condomínio e ao IPTU do imóvel. “O custo mensal do seguro fiança, por exemplo, gira entre 17% e 20% do valor do aluguel, já incluídas as taxas fixas”, explica João Françolin Tomazini, da Imobiliária Cilar. A análise de crédito de quem deseja locar o imóvel também é realizada para avaliar se a pessoa terá condições de pagar pelos valores contratados.

Para o locatário Leopoldo Oliveira, a atenção a determinados fatores no momento da escolha do imóvel pode diluir o investimento extra decorrente da contratação do seguro. “No meu caso, a boa localização da residência, próxima de uma das empresas que atendo e das vias que utilizo para visitar os clientes no dia a dia profissional, compensa o que gastaria com maiores deslocamentos”, diz.

Na outra ponta do contrato, o proprietário do imóvel é beneficiado pela adoção, por parte do locatário, das modalidades que substituem o fiador. “O locador tem melhores garantias uma vez que são pessoas jurídicas – como grandes seguradoras –, com marcas reconhecidas no mercado, que assumem o papel do fiador no contrato”, afirma Fátima Galvão, do Secovi-PR.

Por: Sharon Abdalla

Fonte: Gazeta do Povo

Veja também

Custos da construção civil sobem mais na Região Sul12/01/15 Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Caixa Econômica Federal, a Região Sul foi a área do país onde os custos da construção mais subiram em 2012. É o que mostra o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelas duas instituições e divulgado nesta quinta-feira (10) pelo IBGE.......
Procon dá dicas para evitar atrasos na entrega de imóveis na planta22/01/15 O número de reclamações contra construtoras ou incorporadoras de imóveis vendidos na planta, na cidade de São Paulo, foi de 2.576 no primeiro semestre deste ano, de acordo com dados da Fundação......

Voltar para Notícias