Acompanhe nossas novidades

Postado em 27 de Janeiro de 2015 às 08h30

CRISE NÃO ATINGE SETOR IMOBILIÁRIO

  • Firme Negócios Imobiliários -

Chapecó 2015: expectativas do setor imobiliário são otimistas
As dificuldades que a economia brasileira enfrentará neste ano não prejudicarão o desempenho do mercado imobiliário de Chapecó, um dos mais dinâmicos de Santa Catarina. O Sindicato do Mercado Imobiliário (Secovi) prevê um crescimento entre 5% e 6% este ano, com um número relativamente alto de transações envolvendo apartamentos, terrenos, salas comerciais, casas e imóveis rurais.
O presidente do Secovi empresário Altir Paludo disse que a evolução deste ano está fundada no bom desempenho de 2014, que foi da ordem de 5%. No ano passado, a Copa do Mundo e as eleições atrapalharam os negócios, mas, houve um importante avanço institucional de efeitos mercadológicos: a elaboração e aprovação do novo Plano Diretor de Chapecó.
Muitas empresas retiveram o lançamento e a comercialização de imóveis até a finalização do processo de discussão e aprovação do Plano Diretor em face da mudança de muitos parâmetros legais, como o índice construtivo, que foi duplicado. “O novo ordenamento jurídico foi muito positivo e animou o setor”, enfatiza Paludo. Muitos projetos imobiliários familiares e corporativos foram viabilizados no embalo do aumento de renda e da expansão do crédito.
Novas condicionantes determinarão o desempenho da economia em 2015, mas as dificuldades não atingirão o mercado local onde, nos últimos anos, o setor de construção civil não parou de crescer. Chapecó lidera uma vasta região de economia dinâmica e o seu entorno, formado por mais de 80 municípios, representa uma grande base produtiva do agronegócio, da indústria, do comércio e de serviços especializados. “Esse entorno atua como um colchão para prevenir crises”, assevera o presidente do Secovi.
“Podemos dizer que a poupança gerada por essa vasta região vem sendo aplicada aqui, há algumas décadas, aquecendo o mercado de imóveis. Investir em Chapecó passou a ser o destino de capitais financeiros locais e de outros municípios”, expõe. O mercado dá sinais de uma certa acomodação no Brasil, mas, em Chapecó, graças as suas características econômicas, o dinamismo econômico não cessa.
ALTA VALORIZAÇÃO
O aumento dos juros, do IOF e dos encargos financeiros para contratação de financiamentos habitacionais – recentemente anunciados dentro das medidas de ajustes – não atingiu o programa federal Minha Casa Minha Vida. Assim, mantiveram-se os estímulos à compra de imóveis abaixo de 145 mil reais.
Os programas governamentais estão mantidos e a oferta de produtos imobiliários continua firme. Para o Secovi, o quadro continua promissor e o imóvel se manterá como o mais seguro investimento. Neste contexto haverá uma valorização moderada nos imóveis, forte oferta de imóveis de baixo e médio valor e grande número de transações com terrenos e apartamentos são fatores que marcarão o mercado neste ano, em Chapecó, segundo o Secovi.
Paludo lembra que a valorização imobiliária do município é a segunda maior de Santa Catarina e o aumento vertiginoso dos preços dos imóveis foi, até 2014, sua expressão mais evidente. Desde 2011 a valorização média é pelo menos de cinco a oito vezes a taxa anual da inflação.

Veja também

Desaceleração dos preços dos imóveis continua, mostra pesquisa 07/11/14 SÃO PAULO – O Índice FipeZap Ampliado, que acompanha o preço dos imóveis em 20 cidades brasileiras, registrou avanço de 5,88% em 2014. Esse valor é 0,75 ponto percentual superior ao IPCA do período (considerando a expectativa de inflação no mês de outubro apurada pelo boletim Focus/Banco Central). Ou seja, em média o preço dos......
Locação – Imobiliária tem responsabilidade? 05/01/15 O proprietário de imóvel, quando procura uma imobiliária para administrar a locação, ele firma uma contrato, e lhe outorga uma procuração com poderes para, em seu nome, praticar atos ou administrar interesses,......
Devo resgatar a previdência para pagar meu imóvel?23/12/14 Ao resgatar o dinheiro aplicado no plano de previdência, o investidor pode precisar pagar altos impostos, dependendo do tempo em que o valor ficou investido, da modalidade do plano (PGBL ou VGBL) e da tabela de tributação escolhida......

Voltar para Notícias