Acompanhe nossas novidades

Postado em 28 de Janeiro de 2015 às 08h59

Construtoras atrasam em média 43 dias para entregar imóvel

  • Firme Negócios Imobiliários -

São Paulo - Depois de comprar um imóvel na planta, além de esperar alguns aninhos pela conclusão da obra, o comprador ainda precisa aturar o atraso no prazo de entrega na obra.

Segundo dados da empresa de engenharia Tallento, especializada em gerenciamentos de obras, o tempo médio de atraso das construtoras na conclusão dos empreendimentos foi de 43 dias em novembro 2014.

O tempo é quase cinco vezes menor do que o registrado em janeiro de 2011, quando o atraso médio das obras atingiu o pico de 182 dias, o maior período registrado desde julho de 2006, quando o atraso chegava a 28 dias.

A partir de 2011, o tempo de atraso passou a ter queda expressiva até julho de 2012, quando passou a ser de 84 dias, em média.

A demora na entrega passou a oscilar e entre junho e novembro do ano passado, caiu de 59 para 43 dias. (veja quanto tempo pode levar a liberação do financiamento do imóvel pelo banco)

A pesquisa é realizada a partir da análise dos prazos de entrega de 200 empreendimentos, construídos por clientes da Tallento, dentre os quais 80% são focados em imóveis residenciais.

Algumas das empresas atendidas pela Tallento são: Cyrela, Bueno Netto, Gafisa, Helbor, Setin e PDG.

De acordo com a Tallento, dois motivos principais explicam a queda no atraso das obras: a maior preocupação das empresas em buscar eficiência para reduzir custos; e o desaquecimento do mercado imobiliário, que registrou queda no número de lançamentos de unidades no Brasil em 2014.

Saiba quais são seus direitos

Geralmente, no contrato de compra do imóvel a construtora já informa que o prazo de entrega da obra pode sofrer atrasos de até 180 dias. Mas essa cláusula é considerada abusiva por alguns advogados e tem sido contestada nos tribunais.

Atrasos de até 180 dias devem ser devidamente justificados pelas construtoras e o prazo máximo de atraso não deve ser regra, mas, sim, exceção, diz o Procon-SP.

O reajuste das parcelas do financiamento do imóvel pelo Índice Nacional da Custo da Construção (INCC) devem ser congeladas em caso de atrasos, completa o órgão de defesa do consumidor.

Segundo Marcelo Tapai, advogado especializado em direito imobiliário e presidente da Comissão de Habitação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo, ações na Justiça contra as construtoras podem render ao comprador indenizações que variam de 0,5% a 0,8% do valor do imóvel por mês de atraso na entrega da obra.

O objetivo dessas ações é compensar as eventuais despesas que o proprietário pode ter com o aluguel de outro imóvel ou ainda buscar o reembolso dos rendimentos que o comprador deixou de obter com a locação da nova casa ou apartamento por causa do atraso.

Caso o comprador do imóvel na planta tenha se planejado para receber as chaves do imóvel novo logo após o casamento, por exemplo, também é possível pedir indenização por danos morais por incômodos causados pelo descumprimento do prazo de entrega do empreendimento pela construtora. 

Veja também

Sonho da casa própria deve ficar mais distante em 201526/01/15 A tendência de alta da taxa básica de juros (Selic) deve dificultar o acesso ao crédito imobiliário neste ano, segundo expectativas da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). A alta dos juros básicos provoca uma elevação generalizada das taxas cobradas pelos bancos nos financiamentos de......
Os bancos com as menores taxas de financiamento imobiliário20/04/15 Ao pesquisar o custo do financiamento para compra do imóvel entre diversas instituições financeiras, o consumidor pode economizar até 119 mil reais. É o que conclui o levantamento da associação de consumidores......
Secovi-Oeste/SC prepara novidades para segmento imobiliário de Chapecó23/09/15 Diretores e associados do Sindicato da Habitação do Oeste (Secovi-Oeste/SC) estiveram reunidos, nessa segunda-feira (21), para avaliação e planejamento de ações para os próximos dias. Para o mês de......

Voltar para Notícias